Viscoelástico: da Nasa para a sua casa

Desenvolvida pela Nasa, viscoelástico é uma espuma com alta capacidade de absorção, proporcionando ao usuário o conforto de um abraço

Na hora de relaxar, um bom colchão deve fazer com que a gente se sinta nas nuvens. No entanto, o que talvez você não saiba é que existe um material em nossas camas que foi desenvolvido para ser usado nas alturas, em lugares que ficam muito além de qualquer nuvem. Estamos falando do viscoelástico. Criada pela Nasa na década de 1960, essa espuma traz tantas qualidades que logo ganhou o mercado de colchões, e hoje é um dos itens de maior sucesso no setor.

Uma ideia de outro mundo

A princípio, a agência espacial norte-americana buscava um material que pudesse absorver o máximo de impacto. Em outras palavras, como o impulso necessário para a decolagem dos foguetes submete os astronautas a grandes pressões, era essencial diminuir esse efeito sobre os tripulantes.

A resposta veio através de uma espuma viscosa e elástica capaz de suportar 80% do impacto, retornando 20% dele ao usuário de forma lenta. Para se ter uma ideia, as outras espumas atuam de maneira oposta: absorvem 20% e devolvem 80% da força aplicada.

Das estrelas para nosso quarto

À medida em que ficava claro o sucesso do produto nas missões da agência, a Nasa certificou uma empresa dinamarquesa como detentora da patente. Assim, na década de 1990 essa marca passou a vender travesseiros de viscoelástico. Na sequência, surgiram os primeiros colchões, e as vantagens eram tantas que não demorou para cair no gosto do público e virar sinônimo de tecnologia espacial.

Viscoelástico: uma opção universal

Graças a seu alto poder de absorção, o viscoelástico se molda ao peso do usuário.  Ou seja, ele gera uma sensação de abraço que agrada a maioria daqueles que se deitam sobre sua superfície. Por este motivo, ele é indicado para qualquer pessoa, independentemente de sua faixa etária ou biotipo. Portanto, se você estava em dúvidas sobre adquirir um modelo, não pense duas vezes. Seja para colchões ou para travesseiros, o viscoelástico é uma ótima opção.

Colchão para idosos alivia dores e melhora o sono

Saber escolher um bom colchão para idoso ajuda a prevenir uma série de males na terceira idade e elimina fator de risco para diabetes, hipertensão e doenças no coração

A chegada da terceira idade traz uma série de atenções que devemos ter para envelhecer de modo tranquilo e saudável e, muitos desses cuidados passam por uma boa noite de sono. Além de permitir o descanso e dar a energia necessária para o dia seguinte, um colchão para idoso adequado alivia dores. Para completar, dormir bem reduz o estresse, fator de risco para problemas no coração, diabetes, hipertensão e outras doenças.

Como selecionar um bom colchão para idoso?

Antes de mais nada, é preciso encontrar um modelo que faça o encaixe perfeito com as costas do usuário, evitando que a coluna saia do estado natural. Isso ajuda a prevenir uma série de problemas como mal-estar, dores de cabeça, enrijecimento dos músculos, câimbras e ronco.

Em seguida, deve-se buscar um colchão que reduza os despertares noturnos. Ou seja, dê preferência a produtos que diminuam a vibração dos movimentos, como as molas ensacadas, por exemplo. Assim, um bom conjunto de molas, uma espuma capaz de reter e aliviar o peso e uma malha com toque agradável são a escolha ideal para essa faixa etária.

Cuidados extras para dormir bem

Logo depois de encontrar o colchão para idoso adequado, é importante ajustá-lo à altura do usuário. Afinal, isso tem influência direta no esforço de deitar e levantar. Além disso, o tipo de mola ou espuma deve atender ao gosto particular, podendo ir do ultra macio ao ultra firme. De nada adianta comprar o melhor dos modelos se a pessoa não se adaptar ao seu uso.

Ao mesmo tempo, dê preferência a tecnologias naturais que preservam a saúde respiratória, como o Euro Probiotic. Importado da Europa, o recurso impede que os ácaros se multipliquem sem recorrer a produtos químicos aos quais o idoso é sensível.

Recomendações para acamados

Por fim, no caso de pessoas acamadas, as espumas com células abertas fazem a compressão e descompressão necessárias para aliviar a pressão muscular do usuário, evitando as escaras. Nesse sentido, o viscoelástico é o mais indicado. Ele tem uma reação mais lenta e se molda ao corpo, imitando a sensação de um abraço.

Como lidar com barulhos na hora de dormir?

Confira medidas que ajudam a minimizar os ruídos noturnos e saiba identificar quando os barulhos na hora de dormir atrapalham seu sono

Motores, buzinas, alarmes, obras. Quem vive em grandes cidades conhece bem os transtornos gerados pelos barulhos na hora de dormir. Ainda que sejam problemas comuns da metrópole, é possível adotar medidas para diminuir os incômodos. Para isso, é essencial identificar quando eles começam a afetar a qualidade do sono.

Antes de mais nada, é importante entender como os ruídos atuam em nosso organismo quando estamos na cama. Os barulhos impedem que o cérebro saia do estado alerta e, mesmo quando adormecemos com eles, não completamos todas as etapas do repouso. Ou seja, temos dificuldade para alcançar e estabilizar o estágio mais profundo do ciclo de descanso, conhecido como sono reparador.

Desse modo, acordamos no dia seguinte cansados, com reflexos debilitados, limitações de memória, problemas de humor e dificuldades para tomar decisões. Além disso, os distúrbios se tornam ainda mais graves quando somados a fatores como má alimentação, sedentarismo e fadiga emocional.

Como reconhecer o problema?

Para saber o quanto os barulhos na hora de dormir atrapalham seu descanso, observe seu comportamento ao longo da noite. Caso você tenha a sensação de acordar por ouvir algo, é importante manter-se alerta. Da mesma forma, fique atento ao notar sons que dificultem na hora de pegar no sono. Já se você dividir o quarto com alguém, vale pedir ajuda para que essa pessoa identifique os sinais a partir de suas reações.

O que fazer diante dos ruídos noturnos?

Após identificar que os barulhos na hora de dormir realmente afetam seu sono, é possível adotar algumas medidas. Em primeiro lugar, veja se o problema está vindo de dentro ou de fora da sua casa. Se for algo interno, revise portas, maçanetas, alarmes automáticos e secretárias digitais. Repense também a presença de animais. No entanto, caso os incômodos venham da rua, uma boa dica é instalar vidros temperados. Eles isolam melhor a luz e o som e ainda podem ser complementados por itens como espumas alveoladas, placas de isopor e isoladores emborrachados para frestas.

Por fim, em situações mais extremas, nas quais o ambiente é cercado por viadutos, casas de show, comércio 24h, pontos de ônibus e vias férreas, vale recorrer a protetores auriculares. Modelos de lá ou usados na construção civil são os mais indicados. Contudo, é importante deixar claro que essa é a última alternativa junto com a troca dos vidros. Caso nada dê resultado, cogite trocar de endereço. Afinal, um bom sono deve ser sempre prioridade para nossa qualidade de vida.

Exercícios e sono: A combinação que ajuda na qualidade do repouso

A Relação entre exercícios e sono envolvem melhora do metabolismo, controle da glicose e liberação de adrenalina; juntos, estes benefícios nos garantem um repouso de qualidade

Os benefícios das atividades físicas para nossa saúde e bem-estar já são bem conhecidos. Desde melhorar a disposição para o dia a dia, reduzir o risco de doenças e até ajudar no controle do peso, uma rotina ativa é essencial em nossas vidas. Porém, existe também uma relação positiva entre exercícios e sono: o hábito de praticar atividades ajuda na qualidade do repouso, proporcionando um descanso ainda mais reparador para encararmos o dia seguinte.

Qual a relação entre exercícios e sono?

Em primeiro lugar, é preciso entender que nem todos precisam de 8 horas de sono diárias. Ou seja, a quantidade de horas de repouso variam de acordo com o organismo. Enquanto alguns ficam ótimos dormindo por apenas 6h, outros só se sentem bem descansando acima da média, por até 10h. Assim, mais importante do que o tempo de sono, é a sua qualidade. Nesse sentido, a prática de atividades físicas é essencial para gastar energia e garantir um repouso mais intenso à noite.

Como as atividades físicas ajudam a dormir melhor?

O principal benefício trazido pela combinação de exercícios e sono é a melhora do metabolismo. Em outras palavras, a tão procurada sensação de bem-estar se dá pela queima de gordura durante a atividade muscular. Ao mesmo tempo, manter uma vida ativa aumenta a população de bactérias benéficas em nosso intestino, regula neurotransmissores e traz uma sensação de alívio que nos ajuda a dormir bem.

Cuidados para um sono melhor a partir de exercícios

Antes de mais nada, é importante ressaltar que toda mudança de hábito, mesmo que saudável, deve ser acompanhada por um médico. Ao se consultar com um especialista, ele irá ajudar a encaixar uma atividade adequada a seu biótipo e ao ritmo de sua vida. Ao mesmo tempo, é essencial que a adoção de um novo hábito se dê de forma progressiva. Portanto, comece com um treino mais leve e avance aos poucos até conhecer seus limites. Desse modo, os benefícios para o descanso noturno vão surgir de maneira natural.

Exercitar-se pela manhã ou antes de dormir?

Já sabemos que o tempo de sono necessário para um descanso pleno varia de acordo com a pessoa. Do mesmo modo, o melhor horário para se exercitar também depende do indivíduo. O mais importante é optar por um horário que se adapte à sua rotina e permita um bom nível de concentração. A maioria das pessoas tende a acelerar pela manhã e desacelerar durante a noite. Então, o ideal é que elas se exercitem logo nas primeiras horas. Entretanto, se este não for o seu caso, não se preocupe. As atividades noturnas ajudam no controle da glicose, o que tem impactos positivos no repouso. Além disso, a liberação de adrenalina certamente irá ajudar no seu descanso.

A Euro Colchões te ajuda a se exercitar melhor

Pensando em todos os benefícios que as atividades físicas podem promover para o repouso, desenvolvemos o EuroFit! Um colchão próprio para exercícios que conta com uma maior camada de espuma, proporcionando mais segurança e mobilidade para um desempenho perfeito de suas atividades físicas.

Cama auxiliar multiplica área do quarto

Voltada a espaços pequenos, a cama auxiliar aproveita os espaços e é ideal para irmãos, quarto de visitas, idosos com cuidador ou crianças com babás

Nem sempre o tamanho do quarto é suficiente para acomodar mais de uma pessoa. Nessas situações, muitos optam por improvisar um segundo colchão, que fica guardado em algum ponto da casa. Porém, se você não é daqueles que gostam de improvisos, a melhor saída é a cama auxiliar. Ideal para ambientes reduzidos, ela permite acomodar uma nova pessoa apenas na hora de dormir. Saiba um pouco mais sobre seus benefícios e os diferentes modelos.

O que é cama auxiliar?

A cama auxiliar é aquela que fica acoplada a uma cama principal, geralmente na parte de baixo. É uma segunda opção do mesmo conjunto, que podemos acionar a qualquer momento em caso de necessidade. Suas vantagens são a praticidade e a compactação, afinal ela permanece recolhida durante todo o dia, ampliando a área de circulação. Portanto, o modelo só ocupa espaço no momento em que a pessoa for se deitar. Pode-se usá-la em diversas situações: um quarto pequeno que comporta dois irmãos, um quarto de visitas, um filho que sempre recebe primos ou colegas de escola, um idoso que precisa de cuidador, ou mesmo uma criança que conta com babá.

Cuidados na utilização

Apesar das suas inúmeras vantagens, este tipo de cama não é adequado para quartos que são pequenos a ponto de dificultar sua retirada da peça principal. Além disso, por ser mais baixa, o ato de deitar e levantar pode forçar as articulações de joelhos e tornozelos. Desse modo, os jovens adaptam-se melhor a ela, enquanto os mais velhos devem dormir preferencialmente na cama de cima.

Tipos e modelos

As camas auxiliares podem ser apenas uma complementação da principal, vir acompanhadas de um baú, ou mesmo ser de elevação, dando mais versatilidade. Ou seja, cada opção tem uma proposta diferente, dependendo da sua necessidade em buscar mais variações ou apenas simplicidade.

O modelo básico não tem baú nem eleva, e é ideal para quem apenas quer ter em mãos uma alternativa para acomodar outra pessoa. Por outro lado, a chamada 3 em 1 conta com dois colchões e um baú, sendo indicada àqueles que precisam de mais espaço para guardar as coisas. Finalmente, o modelo de elevação, também conhecido como Versátil, tem um custo um pouco maior. No entanto, ele permite elevar a segunda cama à mesma altura da principal, podendo, inclusive, ser colocada em outros ambientes com facilidade.

Agora que você já conhece mais as camas auxiliares, está na hora de escolher a que melhor preenche suas necessidades. Contudo, na hora de optar, fique atento a critérios como qualidade e procedência da madeira, estrutura da cama e dos colchões, e jamais esqueça da responsabilidade ambiental e da credibilidade do fabricante.

Cabeceiras e painéis trazem conforto e elegância

Mais do que itens meramente estéticos, cabeceiras e painéis ajudam a evitar impactos durante o sono e protegem nosso corpo do vento e do frio da parede

Quem não abre mão do conforto sabe que cada detalhe faz a diferença para uma boa noite de sono. Nesse sentido, mais do que itens meramente estéticos, as cabeceiras e painéis podem ser aliados fundamentais na hora de dormir. Além de trazerem maior elegância ao quarto, eles protegem nossa cabeça tanto de impactos quanto do vento e das baixas temperaturas da parede. Veja a seguir as diferenças entre estas peças e saiba escolher o modelo que melhor atende suas necessidades.

Cabeceiras

As cabeceiras são peças de maior porte, que vão desde o chão até uma altura de um metro acima do nível do colchão. Sua instalação é fácil e prática. Ou seja, ela pode ser feita pela própria equipe de entrega do produto, pois as peças se prendem à estrutura da cama por meio de um par de mãos francesas chamadas frames. Em suma, seu aspecto imponente dá um visual tradicional ao quarto. Portanto, ambientes espaçosos e conservadores são ideais para elas.

Painéis

Já os painéis correspondem à parte superior das cabeceiras. Porém, sua instalação não é tão simples e envolve furar a parede para colocar os encaixes que vão se prender à sua parte traseira. Por este motivo, é o próprio cliente quem deve realizar a operação. Ao contrário das cabeceiras, os painéis têm visual mais moderno e ocupam menos espaço. Assim, são ideais para quem tem quartos menores.  Do mesmo modo, aqueles que priorizam facilidade na hora da limpeza também vão amar esta opção, pois dispensa a necessidade de arrastar a cama.

Qual modelo de cabeceiras e painéis escolher?

Agora que você já conhece as diferenças entre cabeceiras e painéis, é importante saber um pouco sobre os materiais mais comuns encontrados no mercado. As opções dividem-se em dois grupos: madeira e acabamento em tecido com preenchimento em espuma. No primeiro caso, as placas em madeira maciça costumam vir revestidas com pintura Lacca, muito usada na indústria automotiva. Como resultado, temos um design superior, dando charme e sofisticação ao quarto.

Por outro lado, as opções de tecido e espuma trazem o conforto necessário para apoiar costas e braços, além de proteger contra possíveis batidas durante o sono. Os modelos podem ser de suede, que tem bom apelo estético e é ótimo para quem tem pets, por conta de sua grande resistência a rasgos e fricções. Da mesma forma, os produtos com acabamento em linho se destacam pela aparência elegante e requintada. Contudo, se você tem crianças em casa e prioriza a praticidade, o corano é ideal, por ser impermeável a líquidos e fácil de limpar.

Tecido lateral traz beleza e durabilidade ao colchão

Conheça as vantagens dos quatro tipos de tecido lateral mais utilizados no mercado: suede, linho, plano rústico e corano

Quando escolhemos um colchão, em geral priorizamos os aspectos internos, como o tipo de molas ou a espuma empregada, mas damos pouca importância ao tecido lateral. Contudo, o revestimento também tem papel importante para o consumidor e deve ser levado em conta na hora da compra. Além de conferir beleza, ele ajuda a trazer conforto e garante vida longa ao produto. Conheça os principais materiais usados como tecido lateral pelo mercado e veja as vantagens de cada um.

Suede

A princípio, a grande vantagem de se usar o suede como tecido lateral está no seu apelo estético. Além de bonito, ele suporta as mais diversas cores e estampas, dando grande margem de escolha para o consumidor. Da mesma forma, trata-se de um material resistente a manchas, umidade e fricção. Portanto, é ideal para quem possui gatos, por exemplo.

Linho

Por outro lado, o linho também dá um acabamento luxuoso, mas já não apresenta a mesma resistência. Ou seja, se você possui pets, esta pode não ser a melhor escolha, afinal as unhas do bichano podem dar uma aparência de cabelinho desfiado ao produto. Contudo, é um material de alta durabilidade e tem grande resistência ao ato de sentar e levantar, oferecendo conforto ao usuário.

Plano rústico

É um tecido lateral bastante versátil. Pode ser usado tanto em modelos mais formais e sofisticados, quanto em opções causais. Uma das grandes vantagens está no custo, mais acessível na comparação com os demais. Porém, o fato de ser ter um acabamento simples não significa falta de apelo estético. Seu uso dá uma consistência sólida ao produto, sendo ideal para os clientes que preferem um acabamento mais conservador.

Corano

Finalmente, o corano é usado principalmente em colchões de camas auxiliares. Seu principal benefício está na praticidade. Ou seja, ele é muito bom para quem tem criança pequena, é meio desastrado, ou simplesmente gosta de facilidade no hora da limpeza. Por ser impermeável, basta passar um paninho que ele sempre vai ficar em ótimo estado. Ao contrário de outros materiais similares oferecidos no mercado, como o corino, que “racha” com o uso, o corano utiliza uma resina que traz alta durabilidade. Dessa forma, seu colchão vai estar sempre brilhoso e flexível.

Escolha seu tecido lateral

Agora que você já conhece os principais materiais usados como tecido lateral, basta escolher aquele que melhor atende às suas necessidades. Os colchões da linha Kingsdown da Euro, por exemplo, aliam forte apelo visual e durabilidade,  sendo ideais para quem busca conforto, mas não abre mão da parte estética.

Para que serve o protetor de colchão?

Além de evitar manchas, protetor de colchão previne o desgaste do tecido causado pelo nosso suor

Quando se trata de um item essencial para o nosso dia a dia, devemos cuidar dele. É assim, por exemplo, com os celulares. Ao adquirir um, logo colocamos uma capa para garantir sua durabilidade. Da mesma forma, temos de ter esse tipo de zelo com os colchões. Como ficamos várias horas por dia deitados, caso ele não esteja protegido, há o risco de ter a higiene prejudicada e se deteriorar mais rapidamente. Portanto, para evitar que isto ocorra, é fundamental contar sempre com um protetor de colchão.

Importância do protetor de colchão

Este item tem como principal função garantir a integridade física da malha do colchão. Assim, ele é a primeira camada de contato logo após o lençol e evita que o tecido fique manchado quando derramamos algum líquido. Tal cuidado também se faz necessário devido ao suor que produzimos ao longo da noite. Conforme esses fluidos se acumulam, podem causar tanto o amarelamento quanto o desgaste do tecido.

Já aqueles que sofrem com alergia não precisam se preocupar. A função antialérgica é de responsabilidade da malha do colchão e não perde efeito com o uso da capa. Assim, o protetor não irá prejudicar a ação neutralizadora de ácaros caso você conte com um produto que use a tecnologia Euro Probiotic, por exemplo.

Qual modelo escolher?

Primeiramente, para garantir uma preservação efetiva, deve-se optar por um protetor de colchão impermeável. Ou seja, evite aqueles produtos que permitem a passagem de líquidos, pois eles não previnem desgastes.

Por outro lado, é importante buscar modelos que não sejam 100% poliéster no tampo, que é a parte de cima da capa. Além de produzirem ruídos com o nosso movimento, atrapalhando o descanso, eles também esquentam a cama. Em outras palavras, as altas temperaturas fazem com que o nosso corpo não atinja o ponto de relaxamento necessário para uma completa imersão no sono.

Cuidados na hora da limpeza

Agora que você já conhece as dicas para ter o melhor protetor de colchão, é preciso saber também como conservá-lo. A limpeza deste item é muito pessoal, mas é possível recomendar alguns cuidados. Por exemplo, lavar em água fria, sem alvejantes com base de cloro, não lavar a seco, não passar, não usar secadoras e deixar secar à sombra são dicas fundamentais. A troca do produto para higienização pode ser feita após 2 a 4 semanas de uso. Logo, o ideal é ter mais de um protetor de colchão para fazer o revezamento.

O que é um colchão ortopédico?

Ao contrário de modelos rígidos ou moles, um colchão ortopédico deve variar entre o macio e o firme, preservando o estado natural da coluna

Na hora de adquirir um novo colchão, é comum surgirem dúvidas a respeito dos modelos existentes. Algumas das principais estão relacionadas ao colchão ortopédico. Desenvolvidos para manter nosso corpo alinhado à noite, eles são essenciais para um bom sono. Para completar, ajudam a prevenir ou evitar o agravamento de problemas na coluna.

Primeiramente, é fundamental destacar que nem todos os colchões são ortopédicos. Modelos duros e rígidos, como os de madeira e isopor, antigamente eram vendidos como adequados. Contudo, eles tiram a coluna do estado natural. Já os excessivamente moles, como os de água e de ar, também deixam a espinha instável. Portanto, quando o assunto é colchão ortopédico, palavras como “rígido”, “duro” ou “mole” estão proibidas.

Por outro lado, todos os produtos da Euro possuem tecnologia ortopédica. Ou seja, desde os mais macios até os mais firmes, os modelos cedem ao peso do corpo na medida certa para preservar a postura ideal durante a noite. Assim, o usuário pode optar tranquilamente pelo seu nível de conforto preferido, pois ele sabe que sua coluna estará segura tanto com o tipo ultra macio, quanto com o extra macio, macio, intermediário, firme, extra firme, ou ultra firme.

As vantagens do colchão ortopédico

O colchão ortopédico traz benefícios no curto e no longo prazo. Em primeiro lugar, ele ajuda a evitar noites mal dormidas, rigidez muscular, irritabilidade e dores nas costas. Além disso, seu uso prolongado é essencial para prevenir contraturas na lombar. Para completar, impede o surgimento de doenças por conta da ausência de um bom sono.

Como garantir uma escolha adequada?

Com todas estas vantagens, o colchão ortopédico é ideal para qualquer idade. No caso dos jovens, ajuda no desenvolvimento da coluna e do restante do corpo. Do mesmo modo, alivia dores musculares do trabalho dos adultos. Por fim, é um aliado contra o desgaste ósseo dos idosos.

No Brasil, o Inmetro garante que bons colchões tenham uma certificação para produtos de alta qualidade. A Euro Colchões foi a primeira empresa no Rio de Janeiro a receber esse reconhecimento. Em 2012, ela trouxe um conceito inovador dos Estados Unidos: o selo de híbrido. Assim, os colchões com esta certificação, como o modelo Diamond, da Euro, aliam o suporte de peso das molas ensacadas com o conforto das espumas especiais.

Posição de dormir influencia na escolha do colchão?

Seja de lado, de barriga para cima, ou de bruços, cada posição de dormir demanda cuidados específicos que começam pela escolha do colchão

Cada pessoa tem sua posição de dormir. Enquanto uns preferem deixar o corpo de lado, outros gostam de deitar de barriga para cima. Por fim, existem aqueles que só conseguem pegar no sono de bruços, embora essa posição não seja adequada por desalinhar a coluna. E cada uma dessas maneiras demanda cuidados bem específicos para garantir uma noite tranquila. Veja a seguir o colchão mais indicado para cada posição de dormir.

De lado

Se você é daqueles que gostam de dormir de lado, é preciso estar sempre atento à coluna. Dessa forma, optar por um colchão diferente do seu biotipo pode atrapalhar a respiração durante a noite. Portanto, o ideal é adotar um modelo de células abertas, que se adapta ao seu corpo e distribui o peso pela superfície. Assim, você irá se mexer menos e ter um sono tranquilo.

De barriga para cima

Por outro lado, o movimento respiratório é mais sensível à posição de dormir com a barriga para cima. Nesse sentido, um colchão que não atenda o seu biotipo influencia diretamente no ângulo da cervical. Isso prejudica o descanso e aumenta a possibilidade de roncos e falta de ar durante o sono, além de trazer o risco de engasgamentos.

Logo, a melhor forma de se evitar problemas é escolher um colchão de molas ensacadas individualmente, que fornece o suporte de peso necessário à coluna. Além disso, um estofamento de espumas especiais ajuda a aliviar os pontos de maior pressão. Ou seja, ele garante a função ortopédica das costas e do restante do corpo em repouso. Para completar, quem dorme deste modo deve estar atento também à escolha do travesseiro, O ideal é que o modelo se encaixe corretamente no pescoço, sem perdas ou sobras de espaço.

Cuidado com essa posição de dormir!

Por último, deve-se evitar dormir de bruços sempre que possível. Ela desalinha a coluna vertebral e provoca o chamado “efeito canoa”, que suspende a região lombar e favorece o surgimento de lombalgias e lordoses. Portanto, não existe um colchão mais indicado para este público, pois esta não é uma posição de dormir recomendada. O ideal, neste caso, é consultar um especialista. Ele irá entender seu histórico de conforto e apresentar a solução ideal para o seu repouso.