Como assistir TV da cama sem descuidar da postura?

Sentado, com a coluna ereta e a TV na altura dos olhos são dicas que ajudam a evitar problemas ao se assistir TV da cama

A tentação de assistir TV da cama ficou ainda maior com a popularização dos serviços de streaming. São inúmeras as opções de filmes e séries. Porém, apesar de toda a comodidade, você precisa tomar alguns cuidados para que este hábito não se transforme em um pesadelo. Afinal, o descuido com a sua postura pode causar desde dores até lesões mais graves.

Sentar é o melhor remédio

Desde já, é preciso esclarecer que a postura mais adequada e segura para se assistir TV da cama é sentado. Além disso, o ideal é deixar a coluna sempre ereta e apoiada desde as costas até à cervical. Para ajudar nesta tarefa, a Euro Colchões disponibiliza o Euro Hug e o Triângulo Euro. O primeiro acessório nos envolve como um abraço, apoiando os braços e mantendo o correto alinhamento das costas. O segundo, auxilia no bem estar através de sua função de encosto e descanso para pernas. Da mesma forma, é preciso assegurar que o aparelho de TV também esteja na posição ideal. Ou seja, na altura dos olhos, de modo que o pescoço não precise sair de sua posição natural.

Riscos de se assistir TV da cama deitado

No entanto, caso você prefira ver TV deitado, é preciso estar atento. Esta posição pode gerar várias lesões no pescoço e na coluna. O risco fica ainda maior caso você deite de barriga para cima e vire a cabeça para conseguir ver a televisão, gerando dores lombares em um primeiro momento. Em seguida, pode-se sofrer com rigidez muscular. Por fim, caso o hábito persista no longo prazo, é possível desenvolver problemas crônicos de deformação na coluna. Apesar disso, caso você faça questão de assistir à TV da cama desta maneira, procure manter o corpo alinhado. Portanto, utilize sempre uma almofada para apoiar o pescoço e outra entre as pernas.

Aliado ou vilão do sono?

Outra dúvida comum é se assistir TV da cama ajuda ou atrapalha na hora do descanso. A resposta depende de cada indivíduo. Em outras palavras, mais importante do que o hábito em si, você deve respeitar seus limites mentais e corporais. Logo, quando a sonolência chega, nada de lutar contra os institutos para terminar de ver o filme. É fundamental desligar os aparelhos eletrônicos, apagar as luzes e dormir.

EURO HUG

TRIÂNGULO EURO

Aprenda como conservar o colchão em 6 passos

Trocar roupa de cama com regularidade e investir em um bom protetor são algumas das dicas para aqueles que se preocupam em como conservar o colchão por mais tempo

Depois de muito estudo e pesquisa, você finalmente encontrou o colchão dos sonhos. Agora, com ele em casa, surge a dúvida: como conservar o colchão para que ele garanta um descanso de qualidade por muito mais tempo? Antes de tudo, não são poucas as coisas que impactam na durabilidade do produto. Por exemplo, a troca regular de lençóis, as formas de limpá-lo, o uso de um bom protetor e até mesmo práticas como virar o item com regularidade são fatores que influenciam na vida útil do seu colchão. Confira a seguir seis dicas para dar maior longevidade ao seu companheiro de todas as noites.

1.Troque a roupa de cama

Poucos sabem, mas as roupas de cama cumprem um papel que vai muito além da estética e do conforto para dormir. Ou seja, se você está preocupado em como conservar seu colchão, saiba que elas são essenciais para preservar a higiene, impedindo que fatores como suor e demais óleos corporais entrem em contato com o item. Portanto, é essencial que sua troca seja feita com frequência, podendo variar de 5 a 7 dias.

2.Dê um respiro

Quando se trata de modelos de espuma, que permitem menor circulação de ar, é importante deixar o colchão sem lençol e cobertores durante uma manhã ou tarde todas as vezes em que se trocar trocar a roupa de cama. Por outro lado, no caso de colchões de molas, bastam alguns minutos de respiro antes de receber os novos lençóis.

3.Aposte na virada

Já quem quer saber como conservar o colchão de casal, é importante lembrar que esse item comporta usuários com peso e tamanho diferentes. Assim, o uso prolongado faz que os materiais se moldem ao corpo de ambos. Então, para otimizar essa evolução, devemos girar o colchão no sentido horário a cada 15 dias no primeiro mês de uso. Logo depois, isso pode ser feito a cada 30 dias. Desse modo, as pequenas ondulações deixadas por uma pessoa serão minimizadas pelo peso da outra, gerando um equilíbrio visual na superfície.

4.Fique de olho na tecnologia antialérgica

Em primeiro lugar, se você adquiriu um modelo que usa bactericidas químicos, passe o aspirador sobre a superfície ao trocar a roupa de cama, especialmente no caso de espumas que retêm bastante umidade. Isso ajuda a evitar problemas à saúde respiratória do usuário. Em contrapartida, os modelos que contam com tecnologias como o Euro Probiotic, que usa probióticos vivos no combate a ácaros e outros agentes causadores de alergia, dispensam esse cuidado e demais opções de limpeza manual.

5.Evite sentar ou pular

Pode parecer óbvio, mas o colchão foi pensado e desenvolvido para as pessoas se deitarem. Ou seja, qualquer uso diferente desse impacta em sua durabilidade. Assim, caso o usuário fique sentado por longos períodos na borda, esse peso aplicado em um único ponto poderá danificar o local. O mesmo vale para quem tem filhos pequenos que gostam de pular na cama dos pais, a prática pode prejudicar o colchão.

6.Invista em um bom protetor

É impossível falar em como conservar o colchão sem tratar do uso do protetor. Além de deixar o tecido sempre bonito e limpo, ele ainda previne acidentes como queda de líquidos e alimentos, e evita danos causados por arranhões de pets, por exemplo. Em suma, é essencial investir em protetores que impeçam a passagem de líquidos no colchão, sejam resistentes, não provoquem ruídos com o movimento do corpo e que possuam tecnologias que afastem a possibilidade de reações alérgicas.

Como lidar com barulhos na hora de dormir?

Confira medidas que ajudam a minimizar os ruídos noturnos e saiba identificar quando os barulhos na hora de dormir atrapalham seu sono

Motores, buzinas, alarmes, obras. Quem vive em grandes cidades conhece bem os transtornos gerados pelos barulhos na hora de dormir. Ainda que sejam problemas comuns da metrópole, é possível adotar medidas para diminuir os incômodos. Para isso, é essencial identificar quando eles começam a afetar a qualidade do sono.

Antes de mais nada, é importante entender como os ruídos atuam em nosso organismo quando estamos na cama. Os barulhos impedem que o cérebro saia do estado alerta e, mesmo quando adormecemos com eles, não completamos todas as etapas do repouso. Ou seja, temos dificuldade para alcançar e estabilizar o estágio mais profundo do ciclo de descanso, conhecido como sono reparador.

Desse modo, acordamos no dia seguinte cansados, com reflexos debilitados, limitações de memória, problemas de humor e dificuldades para tomar decisões. Além disso, os distúrbios se tornam ainda mais graves quando somados a fatores como má alimentação, sedentarismo e fadiga emocional.

Como reconhecer o problema?

Para saber o quanto os barulhos na hora de dormir atrapalham seu descanso, observe seu comportamento ao longo da noite. Caso você tenha a sensação de acordar por ouvir algo, é importante manter-se alerta. Da mesma forma, fique atento ao notar sons que dificultem na hora de pegar no sono. Já se você dividir o quarto com alguém, vale pedir ajuda para que essa pessoa identifique os sinais a partir de suas reações.

O que fazer diante dos ruídos noturnos?

Após identificar que os barulhos na hora de dormir realmente afetam seu sono, é possível adotar algumas medidas. Em primeiro lugar, veja se o problema está vindo de dentro ou de fora da sua casa. Se for algo interno, revise portas, maçanetas, alarmes automáticos e secretárias digitais. Repense também a presença de animais. No entanto, caso os incômodos venham da rua, uma boa dica é instalar vidros temperados. Eles isolam melhor a luz e o som e ainda podem ser complementados por itens como espumas alveoladas, placas de isopor e isoladores emborrachados para frestas.

Por fim, em situações mais extremas, nas quais o ambiente é cercado por viadutos, casas de show, comércio 24h, pontos de ônibus e vias férreas, vale recorrer a protetores auriculares. Modelos de lá ou usados na construção civil são os mais indicados. Contudo, é importante deixar claro que essa é a última alternativa junto com a troca dos vidros. Caso nada dê resultado, cogite trocar de endereço. Afinal, um bom sono deve ser sempre prioridade para nossa qualidade de vida.

Exercícios e sono: A combinação que ajuda na qualidade do repouso

A Relação entre exercícios e sono envolvem melhora do metabolismo, controle da glicose e liberação de adrenalina; juntos, estes benefícios nos garantem um repouso de qualidade

Os benefícios das atividades físicas para nossa saúde e bem-estar já são bem conhecidos. Desde melhorar a disposição para o dia a dia, reduzir o risco de doenças e até ajudar no controle do peso, uma rotina ativa é essencial em nossas vidas. Porém, existe também uma relação positiva entre exercícios e sono: o hábito de praticar atividades ajuda na qualidade do repouso, proporcionando um descanso ainda mais reparador para encararmos o dia seguinte.

Qual a relação entre exercícios e sono?

Em primeiro lugar, é preciso entender que nem todos precisam de 8 horas de sono diárias. Ou seja, a quantidade de horas de repouso variam de acordo com o organismo. Enquanto alguns ficam ótimos dormindo por apenas 6h, outros só se sentem bem descansando acima da média, por até 10h. Assim, mais importante do que o tempo de sono, é a sua qualidade. Nesse sentido, a prática de atividades físicas é essencial para gastar energia e garantir um repouso mais intenso à noite.

Como as atividades físicas ajudam a dormir melhor?

O principal benefício trazido pela combinação de exercícios e sono é a melhora do metabolismo. Em outras palavras, a tão procurada sensação de bem-estar se dá pela queima de gordura durante a atividade muscular. Ao mesmo tempo, manter uma vida ativa aumenta a população de bactérias benéficas em nosso intestino, regula neurotransmissores e traz uma sensação de alívio que nos ajuda a dormir bem.

Cuidados para um sono melhor a partir de exercícios

Antes de mais nada, é importante ressaltar que toda mudança de hábito, mesmo que saudável, deve ser acompanhada por um médico. Ao se consultar com um especialista, ele irá ajudar a encaixar uma atividade adequada a seu biótipo e ao ritmo de sua vida. Ao mesmo tempo, é essencial que a adoção de um novo hábito se dê de forma progressiva. Portanto, comece com um treino mais leve e avance aos poucos até conhecer seus limites. Desse modo, os benefícios para o descanso noturno vão surgir de maneira natural.

Exercitar-se pela manhã ou antes de dormir?

Já sabemos que o tempo de sono necessário para um descanso pleno varia de acordo com a pessoa. Do mesmo modo, o melhor horário para se exercitar também depende do indivíduo. O mais importante é optar por um horário que se adapte à sua rotina e permita um bom nível de concentração. A maioria das pessoas tende a acelerar pela manhã e desacelerar durante a noite. Então, o ideal é que elas se exercitem logo nas primeiras horas. Entretanto, se este não for o seu caso, não se preocupe. As atividades noturnas ajudam no controle da glicose, o que tem impactos positivos no repouso. Além disso, a liberação de adrenalina certamente irá ajudar no seu descanso.

A Euro Colchões te ajuda a se exercitar melhor

Pensando em todos os benefícios que as atividades físicas podem promover para o repouso, desenvolvemos o EuroFit! Um colchão próprio para exercícios que conta com uma maior camada de espuma, proporcionando mais segurança e mobilidade para um desempenho perfeito de suas atividades físicas.

Cama auxiliar multiplica área do quarto

Voltada a espaços pequenos, a cama auxiliar aproveita os espaços e é ideal para irmãos, quarto de visitas, idosos com cuidador ou crianças com babás

Nem sempre o tamanho do quarto é suficiente para acomodar mais de uma pessoa. Nessas situações, muitos optam por improvisar um segundo colchão, que fica guardado em algum ponto da casa. Porém, se você não é daqueles que gostam de improvisos, a melhor saída é a cama auxiliar. Ideal para ambientes reduzidos, ela permite acomodar uma nova pessoa apenas na hora de dormir. Saiba um pouco mais sobre seus benefícios e os diferentes modelos.

O que é cama auxiliar?

A cama auxiliar é aquela que fica acoplada a uma cama principal, geralmente na parte de baixo. É uma segunda opção do mesmo conjunto, que podemos acionar a qualquer momento em caso de necessidade. Suas vantagens são a praticidade e a compactação, afinal ela permanece recolhida durante todo o dia, ampliando a área de circulação. Portanto, o modelo só ocupa espaço no momento em que a pessoa for se deitar. Pode-se usá-la em diversas situações: um quarto pequeno que comporta dois irmãos, um quarto de visitas, um filho que sempre recebe primos ou colegas de escola, um idoso que precisa de cuidador, ou mesmo uma criança que conta com babá.

Cuidados na utilização

Apesar das suas inúmeras vantagens, este tipo de cama não é adequado para quartos que são pequenos a ponto de dificultar sua retirada da peça principal. Além disso, por ser mais baixa, o ato de deitar e levantar pode forçar as articulações de joelhos e tornozelos. Desse modo, os jovens adaptam-se melhor a ela, enquanto os mais velhos devem dormir preferencialmente na cama de cima.

Tipos e modelos

As camas auxiliares podem ser apenas uma complementação da principal, vir acompanhadas de um baú, ou mesmo ser de elevação, dando mais versatilidade. Ou seja, cada opção tem uma proposta diferente, dependendo da sua necessidade em buscar mais variações ou apenas simplicidade.

O modelo básico não tem baú nem eleva, e é ideal para quem apenas quer ter em mãos uma alternativa para acomodar outra pessoa. Por outro lado, a chamada 3 em 1 conta com dois colchões e um baú, sendo indicada àqueles que precisam de mais espaço para guardar as coisas. Finalmente, o modelo de elevação, também conhecido como Versátil, tem um custo um pouco maior. No entanto, ele permite elevar a segunda cama à mesma altura da principal, podendo, inclusive, ser colocada em outros ambientes com facilidade.

Agora que você já conhece mais as camas auxiliares, está na hora de escolher a que melhor preenche suas necessidades. Contudo, na hora de optar, fique atento a critérios como qualidade e procedência da madeira, estrutura da cama e dos colchões, e jamais esqueça da responsabilidade ambiental e da credibilidade do fabricante.

Cabeceiras e painéis trazem conforto e elegância

Mais do que itens meramente estéticos, cabeceiras e painéis ajudam a evitar impactos durante o sono e protegem nosso corpo do vento e do frio da parede

Quem não abre mão do conforto sabe que cada detalhe faz a diferença para uma boa noite de sono. Nesse sentido, mais do que itens meramente estéticos, as cabeceiras e painéis podem ser aliados fundamentais na hora de dormir. Além de trazerem maior elegância ao quarto, eles protegem nossa cabeça tanto de impactos quanto do vento e das baixas temperaturas da parede. Veja a seguir as diferenças entre estas peças e saiba escolher o modelo que melhor atende suas necessidades.

Cabeceiras

As cabeceiras são peças de maior porte, que vão desde o chão até uma altura de um metro acima do nível do colchão. Sua instalação é fácil e prática. Ou seja, ela pode ser feita pela própria equipe de entrega do produto, pois as peças se prendem à estrutura da cama por meio de um par de mãos francesas chamadas frames. Em suma, seu aspecto imponente dá um visual tradicional ao quarto. Portanto, ambientes espaçosos e conservadores são ideais para elas.

Painéis

Já os painéis correspondem à parte superior das cabeceiras. Porém, sua instalação não é tão simples e envolve furar a parede para colocar os encaixes que vão se prender à sua parte traseira. Por este motivo, é o próprio cliente quem deve realizar a operação. Ao contrário das cabeceiras, os painéis têm visual mais moderno e ocupam menos espaço. Assim, são ideais para quem tem quartos menores.  Do mesmo modo, aqueles que priorizam facilidade na hora da limpeza também vão amar esta opção, pois dispensa a necessidade de arrastar a cama.

Qual modelo de cabeceiras e painéis escolher?

Agora que você já conhece as diferenças entre cabeceiras e painéis, é importante saber um pouco sobre os materiais mais comuns encontrados no mercado. As opções dividem-se em dois grupos: madeira e acabamento em tecido com preenchimento em espuma. No primeiro caso, as placas em madeira maciça costumam vir revestidas com pintura Lacca, muito usada na indústria automotiva. Como resultado, temos um design superior, dando charme e sofisticação ao quarto.

Por outro lado, as opções de tecido e espuma trazem o conforto necessário para apoiar costas e braços, além de proteger contra possíveis batidas durante o sono. Os modelos podem ser de suede, que tem bom apelo estético e é ótimo para quem tem pets, por conta de sua grande resistência a rasgos e fricções. Da mesma forma, os produtos com acabamento em linho se destacam pela aparência elegante e requintada. Contudo, se você tem crianças em casa e prioriza a praticidade, o corano é ideal, por ser impermeável a líquidos e fácil de limpar.

Tecido lateral traz beleza e durabilidade ao colchão

Conheça as vantagens dos quatro tipos de tecido lateral mais utilizados no mercado: suede, linho, plano rústico e corano

Quando escolhemos um colchão, em geral priorizamos os aspectos internos, como o tipo de molas ou a espuma empregada, mas damos pouca importância ao tecido lateral. Contudo, o revestimento também tem papel importante para o consumidor e deve ser levado em conta na hora da compra. Além de conferir beleza, ele ajuda a trazer conforto e garante vida longa ao produto. Conheça os principais materiais usados como tecido lateral pelo mercado e veja as vantagens de cada um.

Suede

A princípio, a grande vantagem de se usar o suede como tecido lateral está no seu apelo estético. Além de bonito, ele suporta as mais diversas cores e estampas, dando grande margem de escolha para o consumidor. Da mesma forma, trata-se de um material resistente a manchas, umidade e fricção. Portanto, é ideal para quem possui gatos, por exemplo.

Linho

Por outro lado, o linho também dá um acabamento luxuoso, mas já não apresenta a mesma resistência. Ou seja, se você possui pets, esta pode não ser a melhor escolha, afinal as unhas do bichano podem dar uma aparência de cabelinho desfiado ao produto. Contudo, é um material de alta durabilidade e tem grande resistência ao ato de sentar e levantar, oferecendo conforto ao usuário.

Plano rústico

É um tecido lateral bastante versátil. Pode ser usado tanto em modelos mais formais e sofisticados, quanto em opções causais. Uma das grandes vantagens está no custo, mais acessível na comparação com os demais. Porém, o fato de ser ter um acabamento simples não significa falta de apelo estético. Seu uso dá uma consistência sólida ao produto, sendo ideal para os clientes que preferem um acabamento mais conservador.

Corano

Finalmente, o corano é usado principalmente em colchões de camas auxiliares. Seu principal benefício está na praticidade. Ou seja, ele é muito bom para quem tem criança pequena, é meio desastrado, ou simplesmente gosta de facilidade no hora da limpeza. Por ser impermeável, basta passar um paninho que ele sempre vai ficar em ótimo estado. Ao contrário de outros materiais similares oferecidos no mercado, como o corino, que “racha” com o uso, o corano utiliza uma resina que traz alta durabilidade. Dessa forma, seu colchão vai estar sempre brilhoso e flexível.

Escolha seu tecido lateral

Agora que você já conhece os principais materiais usados como tecido lateral, basta escolher aquele que melhor atende às suas necessidades. Os colchões da linha Kingsdown da Euro, por exemplo, aliam forte apelo visual e durabilidade,  sendo ideais para quem busca conforto, mas não abre mão da parte estética.

O que é um colchão ortopédico?

Ao contrário de modelos rígidos ou moles, um colchão ortopédico deve variar entre o macio e o firme, preservando o estado natural da coluna

Na hora de adquirir um novo colchão, é comum surgirem dúvidas a respeito dos modelos existentes. Algumas das principais estão relacionadas ao colchão ortopédico. Desenvolvidos para manter nosso corpo alinhado à noite, eles são essenciais para um bom sono. Para completar, ajudam a prevenir ou evitar o agravamento de problemas na coluna.

Primeiramente, é fundamental destacar que nem todos os colchões são ortopédicos. Modelos duros e rígidos, como os de madeira e isopor, antigamente eram vendidos como adequados. Contudo, eles tiram a coluna do estado natural. Já os excessivamente moles, como os de água e de ar, também deixam a espinha instável. Portanto, quando o assunto é colchão ortopédico, palavras como “rígido”, “duro” ou “mole” estão proibidas.

Por outro lado, todos os produtos da Euro possuem tecnologia ortopédica. Ou seja, desde os mais macios até os mais firmes, os modelos cedem ao peso do corpo na medida certa para preservar a postura ideal durante a noite. Assim, o usuário pode optar tranquilamente pelo seu nível de conforto preferido, pois ele sabe que sua coluna estará segura tanto com o tipo ultra macio, quanto com o extra macio, macio, intermediário, firme, extra firme, ou ultra firme.

As vantagens do colchão ortopédico

O colchão ortopédico traz benefícios no curto e no longo prazo. Em primeiro lugar, ele ajuda a evitar noites mal dormidas, rigidez muscular, irritabilidade e dores nas costas. Além disso, seu uso prolongado é essencial para prevenir contraturas na lombar. Para completar, impede o surgimento de doenças por conta da ausência de um bom sono.

Como garantir uma escolha adequada?

Com todas estas vantagens, o colchão ortopédico é ideal para qualquer idade. No caso dos jovens, ajuda no desenvolvimento da coluna e do restante do corpo. Do mesmo modo, alivia dores musculares do trabalho dos adultos. Por fim, é um aliado contra o desgaste ósseo dos idosos.

No Brasil, o Inmetro garante que bons colchões tenham uma certificação para produtos de alta qualidade. A Euro Colchões foi a primeira empresa no Rio de Janeiro a receber esse reconhecimento. Em 2012, ela trouxe um conceito inovador dos Estados Unidos: o selo de híbrido. Assim, os colchões com esta certificação, como o modelo Diamond, da Euro, aliam o suporte de peso das molas ensacadas com o conforto das espumas especiais.

Saiba o que evitar para dormir melhor

Não tomar café à noite e fazer refeições leves antes de se deitar são algumas das práticas que nos ajudam na missão de dormir melhor

Quem nunca passou por dificuldades na hora de dormir? A pessoa rola para um lado da cama, rola para o outro, mas nada de o sono chegar. E a cada minuto que passa, a impaciência cresce, adiando ainda mais o tão esperado descanso. Ainda que não exista fórmula mágica para lidar com o problema, os hábitos que temos antes de nos deitar influenciam diretamente na qualidade do nosso sono. Veja a seguir cinco coisas que devemos evitar para dormir melhor.

Tomar café à noite

Por ser um estimulante, a cafeína é um grande vilão do sono profundo, que é a etapa em que descansamos das atividades do dia. Portanto, quem deseja dormir melhor jamais deve consumi-la no final da tarde, e muito menos à noite. Caso contrário, você vai acordar na manhã seguinte sem se sentir revigorado.

Deixar o quarto iluminado

Mais do que uma questão de gosto, a presença de luz afeta diretamente nossos ciclos biológicos e a produção de hormônios. Em primeiro lugar, quando há lâmpadas acesas no ambiente, a geração de melatonina é inibida. Assim, o sono fica superficial e acordamos mais facilmente. Além disso, a luz impacta na presença de cortisol em nosso organismo. Esta substância está diretamente relacionada ao estresse e nos impede de dormir melhor.

Ficar em contato com a luz de eletrônicos

Apesar de pequena, a tela do celular pode se tornar um inimigo gigante do nosso sono. Isso ocorre pois a luz emitida pelo aparelho tem o mesmo efeito das lâmpadas, inibindo a produção de melatonina. Como muitas pessoas têm o hábito de usar o smartphone na cama, uma saída é ativar a luz azul do aparelho à noite. Apesar de não resolver totalmente o problema, o filtro nos ajuda a dormir melhor à medida em que evita prejudicar o descanso dos olhos, amenizando os efeitos negativos sobre o organismo.

Fazer refeições pesadas à noite

Quando exageramos na quantidade de comida antes de deitar, aumentamos o refluxo de ácido no estômago, o que atrapalha o descanso. Se você deseja dormir melhor, tome cuidado também com alimentos que deixam a digestão mais lenta. Logo, nada de ingerir itens gordurosos ou muito condimentados à noite.

Permanecer na cama sem sono

Pode parecer estranho, mas em alguns casos levantar-se da cama por alguns instantes é a melhor saída para dormir melhor. Toda a impaciência e ansiedade geradas quando o sono não vem atrapalham ainda mais sua chegada. Assim, se você está deitado por mais de 20 minutos sem sucesso, experimente ir para outro local à meia-luz e tente relaxar com algo, como ler um livro. Só volte para a cama quando o sono voltar.

Qual o melhor tipo de travesseiro?

Conheça as vantagens dos modelos de pluma, látex, fibra siliconizada e viscoelástico, e saiba escolher o melhor tipo de travesseiro para o seu sono

Com tantas opções disponíveis, encontrar o tipo de travesseiro mais adequado pode se transformar em um grande tormento. Para não errar na escolha e garantir um sono tranquilo, é fundamental conhecer as vantagens de cada modelo. Confira a seguir as principais características dos quatro travesseiros mais encontrados no mercado.

Travesseiro de Pluma

Antes de tudo, é preciso destacar que o modelo de pluma é um clássico. Seu recheio é composto basicamente por pluma de ganso. Por isso, esse tipo de travesseiro gera uma sensação de maciez e conforto desde muito antes do surgimento de qualquer composto industrializado.  Sua indicação é principalmente para quem dorme de barriga para cima e não costuma ter dores ou tensão na área do pescoço e cervical.

Travesseiro de Látex

Já o travesseiro de látex é composto pela espuma de látex, extraída da natureza pelo ser humano. Suas principais características estão ligadas ao suporte sobre a cervical e o pescoço. Um tipo de travesseiro mais firme, principalmente para quem dorme de lado ou de barriga para baixo e busca algo para curar as famigeradas dores do sono. Os modelos de látex costumam ser mais baratos que os de plumas, mas mais caros que os de visco e fibra siliconizada. A sensação gerada por ele é de preenchimento imediato entre a cabeça e o pescoço.

Travesseiro de Viscoelástico

Este tipo de travesseiro possui uma espuma que proporciona ao usuário a sensação de afundamento lento e flutuação. Sua indicação é para quem tem preferência por dormir de lado, gerando uma sensação de preenchimento menor do que o látex e a fibra siliconizada.

Travesseiro de Fibra Siliconizada

A fibra siliconizada é um material industrial, portanto mais acessível. Por isso, é o tipo de travesseiro mais barato entre os quatro. Sua indicação é para crianças e pessoas que dormem de barriga para baixo, pois eles costumam ser mais baixos que os concorrentes. A fibra possui uma sensação de suporte menor que o látex, mas maior que a pluma e o visco.

Confira no vídeo abaixo os travesseiros da Euro Colchões.